quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Justiça do Rio afasta Flordelis do cargo de deputada federal

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro afastou hoje (23), por unanimidade, Flordelis dos Santos de Souza (do PSD) de seu mandato como deputada federal.

O julgamento aconteceu hoje e analisou se ela poderia continuar em seu cargo enquanto espera o julgamento do processo no qual é acusada de ser a mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo.

O relator do processo, desembargador Celso Ferreira Filho, votou a favor do afastamento. Os outros dois colegas dele, Antônio José e Katia Jangutta, seguiram o voto. “Há situações que me causaram perplexidade. 

São 50 anos que convivo nessa casa de conflitos e há muito tempo não vejo uma situação tão complexa, estranha e que causa tanta surpresa. Lidamos com homicídio, improbidade, mas nesse processo há uma gama de circunstâncias estranhas”, disse Filho.

A decisão dos desembargadores deverá ser submetida ao plenário da Câmara dos Deputados para que ele decida se mantém ou não o afastamento, conforme prevê a Constituição.

Flordelis nega as acusações e se diz alvo de "perseguição política". Por ter imunidade parlamentar, ela segue em liberdade, mas, desde setembro, tem sido monitorada por tornozeleira eletrônica.

A representação contra a deputada foi apresentada pelo deputado Léo Motta (PSL-MG). Pelo fato de o autor ser um parlamentar e não um partido, o caso precisou passar pela Corregedoria da Câmara, que recomendou o envio do processo ao Conselho de Ética.