sábado, 11 de fevereiro de 2017

Aumento do pênis; mito ou verdade?

Em meio a uma cultura machista, é crescente número de homens que buscam por alternativas que prometem aumentar o órgão, mas será que funcionam mesmo?

Não é de hoje que assuntos ligados à sexualidade são um dos mais comentados no dia a dia, nas mesas de bar, entre outros. Maior exemplo disso é a já tradicional pergunta: “Tamanho do pênis faz diferença?”.

Em paralelo, é incontável o número de opções oferecidas para quem está descontente com o volume do seu – desde o uso de extensores a tratamentos mais invasivos.

Entretanto, o que mais preocupa é que uma parcela cada vez mais intensa de homens - de todas as idades - está disposta a entrar em uma sala de cirurgia para aumentar o órgão. Recente levantamento da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica apontou que, apenas em 2014, foram realizadas 15.414 procedimentos cirúrgicos para ampliar o pênis no planeta.


É natural o desejo do homem por um pênis maior, na sociedade sexista em que vivemos. Considerando que para o senso comum o tamanho do membro está diretamente ligado a virilidade e ao poder. O perigo está em acreditar por ‘meios milagrosos’ para aumentar ou engrossá-los diante a ideia de que pênis maior traz orgasmos mais intensos, fato que não é verdade.


Amostragens indicam que o comprimento médio em ereção é de 14 cm, podendo ir de 9 cm até 19 cm. Ao mesmo tempo, na atualidade, não há técnica cirúrgica confirmando a obtenção de bons resultados, tampouco qualquer dado científico que possibilitem a um médico fazer uso de tratamentos em homens com pênis normal.

Micro pênis

Há situações em que o pênis é muito pequeno, sendo que no pior dos casos existe um problema denominado micro pênis – ficando o tamanho do mesmo entre 5 e 10 cm ereto.





Desta forma, uma das operações disponíveis consiste em cortar um ligamento na base do pênis para fazer com que ele fique cerca de 2,5 centímetros maior quando flácido.

Trata-se de uma solução para o chamado ‘bullying de vestiário’: ereto, o pênis continuará tendo o mesmo comprimento que tinha antes da cirurgia, porém mais grosso. Os médicos injetam gordura retirada do estômago ou das nádegas do próprio paciente. Em alguns casos, adiciona-se ainda ácido hialurônico. A intervenção é ambulatorial e feita no consultório sem risco nenhum. Não apenas melhora a função sexual, mas também ajuda a melhorar a autoestima.

Na última década, o aumento da demanda em procedimentos para ampliar o pênis dobrou no Reino Unido, segundo dados da Associação Britânica de Cirurgiões Plásticos Estéticos. Mas o fenômeno é global!

O mais recente estudo da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica revelou que em 2014 foram feitas 15.414 operações de aumento de pênis no mundo. A Alemanha é o país com o maior número de cirurgias, um total de 2.786, seguida pela Venezuela (473). O Brasil ficou em sétimo, com 219 procedimentos.