quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Conquista: Hospital Afrânio Peixoto deixará de ser psiquiátrico e terá centro cirúrgico e leitos de enfermaria

Uma polêmica tomou conta de Vitória da Conquista com relação a possibilidade do fechamento do Hospital Afrânio Peixoto. O Blog do Rodrigo Ferraz entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde, que descartou a desativação da unidade, mas confirmou que ele deixará de ser psiquiátrico.

O hospital passará por uma reforma, com leitos de enfermaria e centro cirúrgico.

Leia a nota na íntegra:

“Em relação ao hospital Afranio Peixoto, especializado em psiquiatria, será completamente reformado. Mas para alinhar as ações e dar continuidade à assistência, uma reunião com o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, a secretária de Saúde de Vitória da Conquista, Ceres Almeida, representantes do Ministério Público Estadual e técnicos da Sesab foi realizada no dia 2, na sede da Sesab, em Salvador.

Após a reabertura, o hospital mudará de perfil e funcionará como uma referência para o Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC), com leitos de enfermaria e centro cirúrgico para pequenos procedimentos.

Para que não haja descontinuidade no atendimento psiquiátrico na região, leitos da especialidade serão abertos no HGVC. Haverá ainda uma estruturação do serviço ambulatorial na Unidade de Saúde Crescêncio Silveira. Além disso, há expectativa de que serviços municipais, como os centros de Atenção Psicossocial (Caps) e unidades básicas de saúde, absorvam algumas demandas.


A Sesab ainda esclarece que a Política de Saúde Mental no Brasil promove a redução programada de leitos psiquiátricos de longa permanência, incentivando que as internações psiquiátricas, quando necessárias, se dêem no âmbito dos hospitais gerais e que sejam de curta duração. Além disso, essa política visa à constituição de uma rede de dispositivos diferenciados que permitam a atenção ao portador de sofrimento mental no seu território, a desinstitucionalização de pacientes de longa permanência em hospitais psiquiátricos e, ainda, ações que permitam a reabilitação psicossocial por meio da inserção pelo trabalho, da cultura e do lazer”.