quinta-feira, 30 de junho de 2016

Empresário é condenado a 24 anos de prisão por arrastar e matar prostituta

O empresário Pablo Russel Rocha foi condenado a 24 anos de prisão por ter arrastado por dois quilômetros e matado a garota de programa Selma Heloisa Artigas da Silva, a Nicole, em 1998, em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo).

A sentença foi dada na noite desta quarta-feira (29) após julgamento que durou quase 12 horas e 18 anos depois do crime, que gerou comoção e é considerado um dos mais emblemáticos do interior de São Paulo. Pablo foi condenado pelos sete jurados por homicídio triplamente qualificado -motivo fútil, uso de recurso que impossibilitasse a defesa da vítima e meio cruel. Inicialmente, a pena será cumprida em regime fechado. A defesa vai recorrer da decisão.

O empresário deixou o Fórum de Ribeirão preso, deve passar a noite numa delegacia e ser encaminhado à penitenciária nesta quinta-feira (30), de acordo com a assessoria do TJ (Tribunal de Justiça). O júri começou às 10h15 desta quarta e, logo nas primeiras horas, foram ouvidas cinco testemunhas, sendo três de acusação e duas de defesa. Um funcionário da boate em que Nicole trabalhava afirmou ter visto a garota de programa entrar na camionete Pajero de Pablo, enquanto um investigador confirmou o encontro de restos de roupas e calçados da vítima na avenida Maurilio Biagi.


Ao ser ouvido, o agora condenado disse que Nicole desceu do carro após uma discussão entre ambos e que, em seguida, arrancou com o veículo e não percebeu que ela tinha ficado presa ao cinto de segurança porque o som da Pajero estava com volume alto.


A briga, na versão de Pablo, ocorreu por ele não querer levar Nicole a um ponto de droga. Para o Ministério Público Estadual, a garota de programa foi amarrada ao cinto e arrastada propositalmente. Com a condenação, o empresário voltará à prisão, onde esteve até 2000, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) concedeu um habeas corpus que o deixou recorrer em liberdade até a noite desta quarta-feira.


O CRIME
Nicole, grávida de três meses, morreu na madrugada de 11 de setembro de 1998. Após ter sido arrastado por dois quilômetros, o seu corpo, esfacelado, foi abandonado na avenida Caramuru e o empresário foi para casa. Seu carro foi lavado para tentar eliminar vestígios de sangue. 
O processo foi marcado por batalhas jurídicas. Pouco mais de um ano após a prisão, um parecer apresentado pelo legista George Sanguinetti, que atuou no caso PC Farias, contrariou a tese inicial de que Pablo amarrou Nicole e a arrastou até a morte.